Agorafobia, medo de lugares abertos e movimentados

O termo agorafobia, inicialmente empregado para indicar o medo que as pessoas sentiam em lugares abertos, foi ampliado como uma forma de comportamentos de esquiva, que surge em situações ou locais dos quais seria difícil ou embaraçoso escapar. A agorafobia está ligada também ao transtorno de pânico, caracterizando o medo de não conseguir resgate se algo de errado acontecer. Estudos não comprovam motivos biológicos para o problema, as causas mais prováveis são traumas psicológicos.

Um episódio suficientemente frustrante pode ampliar a agorafobia. Se alguma vez ao sair sozinha a pessoa passou mal e não teve socorro, ela pode passar a ter medo tanto de sair desacompanhada, como entrar em pânico se não perceber telefones de emergência ao longo de uma estrada. Pais super protetores podem induzir agorafobia involuntariamente em seus filhos. Criados sempre com toda segurança, os indivíduos superprotegidos sentem-se indefesos sozinhos ou em lugares desconhecidos. Ao evidenciarem os perigos da vida para a criança, estes mesmos pais podem criar uma fobia mesmo sem a existência anterior de experiências ruins concretas, por pura distorção cognitiva.

Tratamento para agorafobia

Ansiolíticos podem ser utilizados para controlar ataques de pânico provocados pela agorafobia, contudo eles não resolvem o problema. O tratamento para agorafobia é feito através da técnica de auto exposição ao estímulo fóbico. Gradualmente, o paciente é submetido às situações que lhe provocam medo e superando uma a uma. Para quem tem medo de sair de casa, por exemplo, o tratamento de agorafobia começa em ir até o portão, até a esquina, dar a volta na quadra, e assim sucessivamente.