Anedonia, a dificuldade de sentir prazer na vida

A anedonia é um comportamento comumente verificado quadros de depressão grave, neurastenia, bem como, em alguns tipos de esquizofrenia. Quando isso acontece, a pessoa vai perdendo a capacidade de sentir prazer nas atividades e nos momentos da vida. O problema está associado os baixos níveis de monoaminas que atuam como neurotransmissores no organismo, entre eles a dopamina que possui importante papel de recompensa no cérebro. Além disso, a dopamina está atrelada ao controle de movimento, aprendizado, humor, emoção, cognição e memória.

A anedonia foi citada inicialmente pelo psicólogo Francês Théodule-Armand Ribot em 1896 e, segundo dados atuais, cerca de 70% de pacientes diagnosticados com transtorno depressivo maior são atingidos pelo problema. Em razão disso, a pessoa deixa de se relacionar com as outras, mantem-se isolada dos grupos sociais e, sobretudo, seus pensamentos são predominantemente negativos.

A anedonia deve ser tratada, de modo que com o tempo, as chances de uma pessoa que não sente prazer ‘nunca’ atentar contra a sua própria vida crescem muito. Além do mais, aumentam as chances de doenças relacionadas, bem como, o abuso de substâncias entorpecentes como o álcool e outras drogas. Em suma, a anedonia é um problema de cunho neurológico, associado à redução da atividade no mecanismo de recompensa do cérebro do paciente.