Compulsão Alimentar

Compulsão alimentar é um dos reflexos da ansiedade, uma busca por aliviar a angústia que pode ir além de um conflito emocional e causar problemas físicos de saúde. Este foi o assunto abordado pelos doutores Abelardo Ciulla e Leandro Ciulla em entrevista ao quadro Medicina e Saúde com Cristina Mazzei.

Durante a conversa os médicos comentaram as diferenças entre os três principais tipos de transtornos alimentares: anorexia, bulimia, compulsão alimentar periódica, que causa aumento de peso. O hábito de comer escondido, sem estar com fome e o sentimento de culpa que isso causa foi comparado a outros tipos de compulsão, como a compulsão por droga ou bebida, que causam fissura.

O ato de comer muito, chamado de hiperfagia, é considerado um paraíso artificial, onde o paciente encontra não apenas um conforto mas também uma dose de prazer, que aliviam a carência de forma instantânea e sem nenhum esforço. No entanto, os médicos reforçam a importância da busca pelo paraíso natural, paixões saudáveis como esportes e leitura que possam evitar a manifestação da ansiedade em vez de simplesmente mascará-la com um artifício efêmero e que pode gerar problemas físicos a longo prazo.

Na maioria das vezes a compulsão alimentar envolve alimentos calóricos, o que pode gerar sentimento de culpa acompanhado ou não de uma ação compensatória, como indução ao vômito. Por isso, assim como as drogas e o álcool, a hiperfagia torna-se apenas uma solução pontual, mas que acaba gerando outros problemas, mais ansiedade e mais angústia.

Quando comportamentos compulsivos tornam-se hábitos as atitudes passam a ser patológicas e merecem atenção profissional. Os médicos comentam ainda que em alguns casos a ansiedade pode disfarçar um quadro de depressão, onde o alimento busca substituir alguma carência.

No vídeo também é abordado o tratamento da compulsão, que inclui principalmente psicoterapia, sendo utilizados remédios quando necessários. Acompanhe abaixo: