Generalização, Estereotipação e Distorção Cognitiva

Pessoas habituadas a generalizar situações costumam usar palavras como “sempre” e “nunca” para descrever seus sentimentos sobre determinadas experiências: “eu sempre serei assaltado naquela determinada rua” ou “eu nunca mais emprestarei dinheiro, porque já deixaram de me pagar certa vez”. Adotar padrões globais para casos negativos isolados pode ser o caso de generalização, um dos vários exemplos de distorções cognitivas.

O mesmo pode ser direcionado a pessoas, classificando-as constantemente em categorias mais fáceis de abstrair – e em menor número -, embora não haja qualquer proximidade e/ou entendimento do outro. Taxações preconceituosas são as principais formas de generalização e estereotipação entre as pessoas.

Perceber padrões globais para casos negativos isolados pode ser o caso de generalização, um dos vários exemplos de distorções cognitivas, impedindo-o de vivenciar certas situações por crer sempre no pior. O tratamento psicológico e/ou psiquiátrico podem ajudar o paciente a lidar com esses pensamentos de forma a racionalizar o que exatamente tem fundamento e o que se enquadra como generalização exagerada.