Mecanismo do Vício no Cérebro: abuso de substâncias

Não é tarefa fácil definir exatamente o que é um ‘abuso’, levando em conta diversos fatores – sociais, econômicos etc. – que podem apontar sob sua ótica o que é ou não ‘demais da conta’. Entretanto, em termos de saúde nos referimos ao abuso de substâncias quando seu consumo passa a oferecer riscos para o usuário e pessoas ao seu redor. Quando um se encontra nessa condição e reconhece os riscos, é na hora de parar que realmente sente o grau do envolvimento psicológico e físico que se tem com determinadas substâncias.

Pessoas usuárias regulares de cigarro, por exemplo, desenvolvem altíssima dependência física, que ao tentarem deixar de fumar, sentem severos sintomas de abstinência da droga. Existem diferentes substâncias que não causam dependência física, mas psicológica, e que respeita a mesma dinâmica: leva o usuário a utilizar cada vez mais quantidades para surtir o mesmo efeito. Estudos recentes abordam a dependência química – ou vício – como uma doença, embora admitam existirem componentes como fatores sociais e psicológicos que podem contribuir para desenvolver o quadro da patologia.

Leia também Mecanismo do Vício no Cérebro: substâncias psicoativas.

Assista ao vídeo sobre o mecanismo da droga no corpo humano em Kiwi: a dolorosa realidade do vício.