Qual a diferença entre tristeza e depressão pós-parto?

Para tratar a depressão pós-parto, indica-se o uso de medicamentos combinado com sessões de psicoterapia

Após o ato de parir é muito comum que a mulher apresente tristeza sem explicação aparente. Esses sintomas, conhecidos como tristeza pós-parto, são praticamente fisiológicos e estão relacionados com a enorme quantidade de mudanças hormonais, que ocorre no corpo da mulher durante o período de gestação. Geralmente, essa tristeza surge e desaparece em um período que fica em torno de 15 dias.

A depressão pós-parto surge de quatro a seis semanas após o nascimento da criança e caracteriza-se pelo surgimento de sintomas típicos da depressão, podendo haver, também, alguns pensamentos sobre incapacidade de cuidar do bebê ou até de si mesma. Estima-se que entre 10% e 15% das mulheres sofram de depressão pós-parto, sendo que, muitas vezes, não recebem o diagnóstico correto ou não têm suas queixas levadas a sério.

Algumas situações aumentam as chances de ter depressão pós-parto, como episódios de depressão anteriormente ou possuir casos da doença na família, bem como uma gravidez indesejada ou problemas familiares envolvendo a aceitação do bebê. Pesquisas indicam que entre 50% E 80% das mulheres sente certa irritabilidade e melancolia nos primeiros dias após o parto.

Para tratar a depressão pós-parto, indica-se o uso de medicamentos combinado com sessões de psicoterapia, que podem ajudar a mulher a lidar melhor com os fatores sociais e familiares, que geralmente também estão relacionados.