Idosos Durante o Distanciamento Social

Muitos estudos mostram que existem grupos de indivíduos que possuem maior tendência a desenvolver os sintomas relacionados à solidão, entre eles estão idosos*. Muitas vezes, em razão de não terem com quem falar sobre o assunto, ou por sentirem-se constrangidos, no idoso é possível que a solidão afete de forma muito mais comprometedora. Infelizmente, essa é uma tendência que aumenta significativamente no período de isolamento social, necessário durante o período de Pandemia (Coronavírus Covid-19).

Considerados o principal grupo de risco de desenvolver complicações pela Covid-19, os idosos quanto mais sozinhos estão, mais ansiosos ficam. De modo que, medidas de isolamento social somadas à propensão de sentir-se só deste grupo, constitui um quadro com grande potencial de provocar consequências negativas à saúde mental.

Um estudo comparou sintomas de Estresse Pós-traumático em pais e filhos em quarentena em relação a outros que não estavam nesta condição. Alterações como irritabilidade, insônia, baixa concentração, deterioração do desempenho em trabalho entre outros, foram observadas. Segundo o médico Dr Leandro Ciulla, psiquiatra e mestre em Gerontologia, o nível de estresse aumenta muito nesse período. “Até 28% dos pais em quarentena neste estudo, relataram sintomas suficientes para justificar o diagnóstico de um distúrbio de saúde mental relacionado ao trauma, em comparação com 6% dos pais que não estavam em quarentena”, adverte o médico.

Estima-se que a solidão seja uma das causas de pelo menos 50% dos suicídios cometidos em todo o mundo, sem contar que é fator catalisador para o surgimento de diabetes, derrame, deficiências imunológicas, bem como provocando alterações no funcionamento cardiovascular. (Veja Risco de Suicídio entre Idosos)

*Pertencem ao mesmo grupo os desempregados, deficientes e pessoas com baixo poder aquisitivo.

Veja também sobre Telemedicina Psiquiátrica no Isolamento Social.

Leia artigo completo sobre Impactos Psicológicos da Quarentena.