Tratamento de TOC

Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC) é o distúrbio psiquiátrico que desperta sentimentos de obsessão e compulsão, sendo um seguido do outro. São consideradas aversões irracionais às mais diversas situações. Normalmente, o TOC está relacionado a compulsão por higiene, organização, simetria e perfeição.

Mais comum durante a infância e a adolescência, o TOC atinge um alto nível de incidência, chegando a 1 caso a cada 60 pessoas.  O TOC possui uma extensa gama de sintomas que variam de acordo com cada paciente, de modo que é possível dividir esses sintomas em duas categorias: obsessões e compulsões.

Obsessões

Obsessões são impulsos ou sentimentos de aversão persistentes, que geram medo, repugnância e extrema ansiedade no indivíduo. Essas sensações tomam conta do paciente de maneira involuntária, sem qualquer possibilidade de ignorá-las. Os sentimentos de repulsa e ansiedade podem ser estimulados por situações do cotidiano, consideradas banais pela maioria das pessoas. Muitas vezes, os pacientes com TOC reconhecem a trivialidade da situação, mas mesmo assim são incapazes de ignorar a obsessão. Geralmente, as sensações causadas pela obsessão estão relacionadas com uma ideia de imediatismo, urgência para sair daquela situação.

“O paciente sente que algo está errado e que uma atitude urgente deve ser tomada.”

Compulsões:

As compulsões são consequências das obsessões. São descritas como rituais, ações repetitivas que surgem como uma tentativa de aliviar a ansiedade e o medo, causados pelo objeto da obsessão. Uma compulsão pode ser tanto física, como lavar as mãos diversas vezes, como em pensamentos, como repetição de orações internas.

Por serem rituais criados pelo próprio paciente, as compulsões são consideradas atos voluntários, ao contrário das obsessões que não podem ser controladas. Na maioria das vezes, as compulsões não tem uma relação direta com as obsessões que pretendem aliviar, como arrumar quadros tortos para que nada de mal aconteça.

Pessoas que possuem TOC, normalmente, passam a evitar situações que podem ativar suas obsessões e medos. Evitar contato direto com outras pessoas, banheiros públicos e hospitais são ações comuns causadas pelo transtorno.

Para facilitar a identificação do TOC, criou-se em 1980 a Escala Obsessiva Compulsiva de Yale-Brown. Essa escala se baseia em uma entrevista de três partes que classifica os pacientes em pontuações de zero a 40, de acordo com a intensidade do transtorno. Pontuações acima de 31 representam casos extremos da doença.

Tratamento de TOC por meio medicamentoso também é aplicado com o intuito de diminuir os sintomas da obsessão e gerar maior conforto ao paciente. Em casos extremos, onde nenhum outro tratamento se mostra efetivo, recorre-se à neurocirurgia.

Veja artigo sobre Tratamento para TOC em Porto Alegre.